Bela e Rebelde crítica do filme Netflix 2024

Foto: Netflix / Divulgação

Dirigido por Cinzia TH Torrini, “Bela e Rebelde” (Sei Nell’anima) é um filme que busca explorar a vida da icônica roqueira italiana Gianna Nannini prometendo uma imersão profunda nos altos e baixos de sua carreira e vida pessoal. O longa-metragem lançado na Netflix se propõe a ser mais do que uma experiência de concerto, explorando as dificuldades e triunfos da artista em quase duas horas de projeção.

Você também pode gostar disso:

Sinopse de Bela e Rebelde, da Netflix

O filme narra a trajetória de Gianna Nannini desde seus anos formativos até sua consagração no mundo da música. Enfrentando a oposição do pai, que tinha aspirações diferentes para ela, a cantora luta para seguir sua paixão pela música, uma jornada marcada por conflitos pessoais e profissionais. A narrativa se desenrola mostrando como ela desafia as expectativas e conquista seu espaço no cenário rock, tornando-se uma lenda.

Leia mais críticas de séries da Netflix

Bela e Rebelde crítica do filme italiano Netflix 2024
Cena do filme “Bela e Rebelde” (Foto: Netflix / Divulgação)

História real da cantora Gianna Nannini, de Bela e Rebelde

Gianna Nannini é uma cantora, compositora e música italiana conhecida por seu estilo de rock energético e voz rouca distintiva. Nascida em 14 de junho de 1954, em Siena, Itália, ela cresceu em uma família com forte inclinação musical e artística.

A artista estudou piano no conservatório de música em Milão e depois se formou em composição. Além de sua formação musical, ela também possui um diploma em filosofia, demonstrando um interesse profundo por questões culturais e sociais, o que frequentemente se reflete em suas letras.

Ela iniciou sua carreira na música nos anos 70, mas foi na década de 80 que realmente ganhou destaque com hits como “Bello e Impossibile”, “Fotoromanza” e “I Maschi”, músicas que se tornaram populares não apenas na Itália, mas em várias partes da Europa. Gianna é conhecida por suas letras que muitas vezes tratam de temas como liberdade, amor e independência, muitas vezes com uma abordagem feminista.

Ao longo de sua carreira, Gianna Nannini lançou mais de vinte álbuns, continuando a ser uma figura influente na música italiana e europeia. Ela é também reconhecida por suas performances ao vivo carismáticas e poderosas. Além de sua carreira musical, a cantora tem se envolvido em diversas causas sociais e ativismos, incluindo os direitos das mulheres e questões ambientais.

Crítica do filme Bela e Rebelde (2024)

Apesar das promessas e de um cenário visualmente autêntico que recria a Itália dos anos 1970, “Bela e Rebelde” enfrenta dificuldades significativas em sua execução. A direção de Torrini não consegue capturar a essência vibrante de Nannini, optando por uma narrativa que muitas vezes resvala no clichê, sem explorar profundamente os temas mais provocativos e interessantes da vida da cantora. As facetas mais intrigantes de sua personalidade, como sua formação em filosofia e seu ativismo, são claramente subutilizadas ou ignoradas, deixando um vazio onde poderia haver uma série de motivos e influências.

Além disso, a tentativa de dramatizar a vida de Nannini muitas vezes resulta em uma abordagem forçada, particularmente na representação de sua relação com o pai, que oscila entre o caricato e o melodramático sem muita substância emocional. O filme também recorre excessivamente a clichês desgastados de biografias musicais, focando em festas e uso de substâncias sem oferecer novas perspectivas ou insights significativos sobre sua carreira ou arte.

Apesar desses problemas, não poderíamos deixar passar batido a atuação intensa de Letizia Toni, que traz uma dose de autenticidade e fervor ao papel de Nannini. Infelizmente, isso não é suficiente para tornar o filme tão relevante, não chegando à altura da importância da artista para os italianos.

Confira todas as críticas de filmes da Netflix

Conclusão

“Bela e Rebelde”, como um todo, não faz justiça à figura complexa e revolucionária que Gianna Nannini foi. Falta ao filme a energia e o impacto necessários para envolver verdadeiramente o público e fazer jus ao espírito rebelde da artista. A obra erra ao tentar suavizar as arestas, quando são justamente elas que definem o coração da história.

Onde assistir ao filme Bela e Rebelde (2024)?

“Bela e Rebelde” está disponível para assinantes da Netflix.

  • Vai comprar na Amazon? Então ajude o Flixlândia adquirindo seus produtos pelo nosso link: https://amzn.to/41fnLbN

Siga o Flixlândia nas redes sociais

Trailer do filme Bela e Rebelde

Elenco de Bela e Rebelde, da Netflix

  • Letizia Toni
  • Selene Caramazza
  • Maurizio Lombardi
  • Stefano Rossi Giordani
  • Andrea Delogu
  • Lorenzo Aloi
  • Ralph Palka

Ficha técnica de Bela e Rebelde (2024)

  • Título original: Sei Nell’anima
  • Direção: Cinzia TH Torrini
  • Gênero: musical, drama, biografia
  • País: Itália
  • Ano: 2024
  • Duração: 113 minutos
  • Classificação: 16 anos

4 thoughts on “‘Bela e Rebelde’ não faz jus à história da artista

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *