Marcados A História do Racismo nos EUA crítica do filme documentário da Netflix 2023

Foto: Netflix / Divulgação

O documentário da Netflix, “Marcados: A História do Racismo nos EUA” (Stamped from the Beginning), filme baseado no premiado livro homônimo de 2016 de Ibram X. Kendi, inicia com uma pergunta provocativa do defensor do antirracismo, autor e professor da obra: “O que há de errado com as pessoas negras?”

À medida que uma sucessão de acadêmicos negros expressa surpresa e perplexidade diante da pergunta, lançando-a como quem saboreia um comprimido amargo, o documentário mergulha em uma análise incisiva e abrangente da origem de ideias racistas sobre pessoas negras.

Leia também

‘Novos Ricos’, uma montanha-russa de caos e comédia na Netflix

‘Os Reis de Queenstown’, a superação através do futebol

‘Nosso Amigo Extraordinário’ faz uma bela jornada pelas relações humanas na terceira idade

Verdades chocantes

Uma das principais ideias abordadas é a de que grande parte do racismo sistêmico e das ideias preconceituosas dirigidas contra as pessoas negras até hoje foi deliberadamente criada para justificar sua escravização e exploração. Em outras palavras, os europeus não escravizaram os africanos porque os viam como seres inferiores. Eles disseminaram histórias sobre eles sendo seres inferiores para justificar por que era aceitável escravizá-los – utilizando preconceitos de forma estratégica para alcançar ganhos materiais, uma prática às vezes chamada de racismo estratégico.

O documentário destaca a emergência desse racismo estratégico, mencionando o príncipe Henrique de Portugal, do século XV, também conhecido como Henrique, o Navegador. Kendi argumenta que Henrique optou por escravizar africanos em vez de eslavos do leste europeu porque era mais difícil para as pessoas negras se misturarem e fugirem depois de deixarem a África.

Dirigido e produzido por Roger Ross Williams, vencedor do Oscar, “Marcados: A História do Racismo nos EUA” é um guia repleto de visuais cativantes, incluindo animações que se entrelaçam a imagens de fotos históricas. Algumas acadêmicas negras renomadas, incluindo a lendária ativista e estudiosa Angela Davis, contribuem para o documentário. Kendi é produtor executivo, juntamente com a produtora de TV de longa data Mara Brock Akil, criadora de “Girlfriends” e “Raio Negro”.

Vale a pena ver Marcados: A História do Racismo nos EUA?

O resultado é uma crônica que abrange centenas de anos de história. Kendi e seus colegas acadêmicos exploram temas como a invenção da “negritude” (agrupando pessoas negras de diferentes áreas da África como uma raça inferior às de pele mais clara; elevando trabalhadores brancos da classe trabalhadora para sufocar qualquer solidariedade com pessoas negras); o mito da assimilação (dando às pessoas negras a ideia falsa de que, se apenas se comportarem de maneira que faça as pessoas brancas se sentirem confortáveis, podem alcançar a igualdade); e o mito da hipersexualidade negra (justificando o estupro de mulheres negras e o linchamento de homens negros).

As raízes desses preconceitos e mitos prejudiciais, conforme discutido no filme, se conectam a outras ideias que Kendi apresentou em seu livro de sucesso de 2019, “Como Ser Antirracista”, que incentiva a ver o racismo como um comportamento, não necessariamente um estado de ser. Na visão do autor, cada pessoa pode fazer escolhas todos os dias que afirmam o racismo sistêmico e o preconceito, ou podem agir para desmantelá-los por meio do antirracismo.

No final das contas, “Marcados: A História do Racismo nos EUA” oferece uma visão bem elaborada e comovente das raízes do racismo direcionado aos negros. Embora talvez não surpreenda aqueles que já conhecem essa história, pode ser difícil de assistir para aqueles sensíveis a histórias sobre a exploração de pessoas marginalizadas. No desfecho do filme, Kendi fornece sua própria resposta à pergunta que iniciou a jornada do filme: “A única coisa errada com as pessoas negras”, diz ele, “é que achamos que há algo errado com as pessoas negras.”

Onde assistir ao filme Marcados: A História do Racismo nos EUA (2023)?

O filme “Marcados: A História do Racismo nos EUA” estreou nesta segunda-feira, dia 20 de novembro de 2023, no catálogo da Netflix.

Trailer do documentário Marcados: A História do Racismo nos EUA, da Netflix (2023)

Ficha técnica do documentário Marcados: A História do Racismo nos EUA, da Netflix (2023)

  • Título original do filme: Stamped from the Beginning
  • Direção: Roger Ross Williams
  • Roteiro: Ibram X. Kendi, David Teague
  • Gênero: documentário
  • País: Estados Unidos
  • Ano: 2023
  • Duração: 92 minutos
  • Classificação: 16 anos

3 thoughts on “‘Marcados: A História do Racismo nos EUA’, um mergulho profundo na raiz do problema

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *