Se Eu Fosse Luísa Sonza crítica da série brasileira documental da Netflix 2023

Foto: Netflix / Divulgação

“Se Eu Fosse Luísa Sonza”, a série documental da Netflix que mergulha nos bastidores da carreira da cantora de 25 anos, estreou nesta quarta-feira (13). Dirigida por Isabel Nascimento Silva, a produção revela uma jornada tumultuada entre a fama, o ódio nas redes sociais e a busca pela própria identidade da artista.

Leia também

‘Se eu fosse Luísa Sonza’: Netflix divulga primeiro trailer da série – ASSISTA!

‘1670’ é uma joia rara que merece ser apreciada

Confira os indicados ao Globo de Ouro 2024: Netflix tem filmes e séries concorrendo

Sinopse da série sobre Luísa Sonza

Alternando entre o passado e o presente, a série conduz os espectadores por uma trajetória repleta de desafios e conquistas. Desde os dias no grupo musical adolescente Sol Maior até os dilemas enfrentados em relacionamentos públicos, como o casamento com Whindersson Nunes, “Se Eu Fosse Luísa Sonza” não hesita em abordar os altos e baixos da vida da artista. A narrativa se estende até os momentos mais recentes, quando Luísa enfrenta não apenas a pressão da produção do álbum “Escândalo Íntimo”, mas também a intensificação do ódio virtual.

O documentário não se esquiva das questões mais difíceis, como os problemas de saúde mental enfrentados por Luísa, destacando o preço que a fama pode cobrar de uma artista em ascensão. O espectador é convidado a testemunhar não apenas os momentos de glória nos palcos, mas também as lágrimas nos bastidores, proporcionando uma visão crua e humana de uma estrela da música pop.

Leia mais críticas de séries da Netflix

Vale a pena ver Se Eu Fosse Luísa Sonza?

“Se Eu Fosse Luísa Sonza” oferece uma perspectiva intensamente pessoal da vida da cantora, desvendando camadas emocionais que raramente são expostas ao público. A série não se contenta em ser uma celebração da carreira da artista; pelo contrário, ela desafia os espectadores a refletirem sobre o impacto das palavras e do ódio nas redes sociais na vida de uma estrela pop.

Vale a pena assistir para compreender a complexidade por trás do rosto sorridente nas capas de álbuns e das performances no palco. A narrativa honesta, que inclui momentos de vulnerabilidade e superação, humaniza Luísa Sonza de uma maneira que transcende sua imagem pública. No entanto, a série também levanta questionamentos sobre o equilíbrio entre a exposição e a preservação da saúde mental, deixando espaço para reflexões sobre a indústria da música e suas pressões.

Leia críticas de filmes da Netflix

Escândalos de Luísa Sonza

Além disso, o documentário não se esquiva das polêmicas envolvendo a cantora. A série aborda, por exmeplo, o processo de racismo que a artista enfrentou, mostrando a visão dela sobre a história, que a própria admite que foi um dos piores episódios de sua vida. Desde então, Luísa Sonza garante que tem tomado consciência de seu lugar como pessoa branca e dentro da luta antirracista.

Por outro lado, os relacionamentos foram pouco aprofundados. Apesar da participação do já citado Whindersson Nunes, a série fala muito por alto sobre os ex-namorados Vitão e Chico. Este último, a cantora não só dedicou uma música apaixonada – que está presente em “Escândalo íntimo” -, mas também teve um término conturbado, com direito a leitura de carta no programa “Mais Você”, de Ana Maria Braga, da TV Globo.

A canção, entretanto, está na série e é representada com carinho. Contudo, apesar de avisar sobre a separação do casal, a produção deixa bem claro que que as gravações acabaram antes do lançamento do álbum e, portanto, ainda não havia ocorrido a traição de Chico, muito menos o término do namoro.

Conclusão

“Se Eu Fosse Luísa Sonza” não é apenas um mergulho nos bastidores da carreira de uma cantora pop; é um retrato corajoso e autêntico de uma jovem artista que enfrenta desafios extraordinários. A série não busca a simpatia do público, mas sim oferece um olhar sincero sobre a vida da artista, explorando suas dores, conquistas e a constante batalha contra o ódio virtual.

Ao final, “Se Eu Fosse Luísa Sonza” abre uma discussão mais ampla sobre a responsabilidade dos fãs, o impacto da fama na saúde mental e a complexidade de ser uma figura pública. Uma obra que convida os espectadores a repensarem não apenas a vida da cantora, mas também sua própria relação com o mundo virtual e as celebridades contemporâneas.

  • Vai comprar na Amazon? Então ajude o Flixlândia adquirindo seus produtos pelo nosso link: https://amzn.to/41fnLbN

Siga o Flixlândia nas redes sociais

Onde assistir à série Se Eu Fosse Luísa Sonza (2023)?

A série documental “Se Eu Fosse Luísa Sonza” estreou nesta quarta-feira, dia 13 de dezembro de 2023, no catálogo da Netflix.

Trailer da série Se Eu Fosse Luísa Sonza, da Netflix (2023)

Ficha técnica da série Se Eu Fosse Luísa Sonza, da Netflix (2023)

  • Título original da série: Se Eu Fosse Luísa Sonza
  • Direção: Isabel Nascimento Silva
  • Gênero: documentário
  • País: Brasil
  • Ano: 2023
  • Temporada: 1
  • Episódios: 3
  • Duração: de 34 a 43 minutos
  • Classificação: 12 anos

Sobre o autor

5 thoughts on “‘Se Eu Fosse Luísa Sonza’ oferece um olhar sincero sobre a vida da artista

  1. A série é ótima. A Luisa tem uma puta voz e é linda. Uma pessoa consistente e de caráter. O povo não tem maturidade para ela.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *