Cyberbunker Crimes na Internet crítica do filme documentário da Netflix 2023 (1)

Foto: Netflix / Divulgação

O documentário “Cyberbunker: Crimes na Internet” (Cyberbunker: The Criminal Underworld), da Netflix, mostra como um grupo de hackers alimentou aquilo que há de pior na internet a partir de um um antigo bunker da época da Guerra Fria em uma pacata cidade turística alemã.

Leia também

‘Sly’: documentário sobre Sylvester Stallone é sensacional

‘Boogie’ aborda questões importantes, mas não aproveita todo o seu potencial

‘Nganù’ é um drama camaronês de primeira linha

Sinopse de Cyberbunker: Crimes na Internet

Um grupo formado por hackers dos países baixos, liderados por Herman Xennt desenvolve um mega servidor capaz de hospedar milhões de contas de clientes dentro de um bunker em uma cidade pacata do interior da Alemanha, Traben-Trarbach.

Agindo sempre em nome da liberdade de expressão e da privacidade, Xennt poderia ser considerado o típico vilão de um filme da franquia 007, muito inteligente, manipulador e cheio de histórias e contatos um tanto quanto peculiares. Apaixonado por bunkers, o holandês chegou a ter seu nome envolvido em uma confusão quando seus locatários foram descobertos, graças a um incêndio, produzindo ecstasy.

Mas essa não é a história de Cyberbunker, que é contada desde a primeira cena, com seu final anunciado: 600 policiais alemães invadindo um bunker que era utilizado para armazenar servidores de clientes do mundo inteiro, espaços pagos para Xennt e seu grupo dos quais eles alegam não ter ideia, como sites da dark web em que drogas eram vendidas livremente e ainda sites pornográficos.

O grupo de Xennt foi condenado à prisão, mas parece não se arrepender dos serviços prestados. Seu líder, inclusive, promete continuar trabalhando em prol do que considera algo necessário para melhorar o mundo, a privacidade e o direito de cada indivíduo expressar seu ponto de vista livremente.

Cyberbunker: Crimes na Internet é bom?

O documentário alemão é bom e interessante, mas a narrativa demora para engrenar, se tornando um pouco cansativo, principalmente se você não é muito conhecedor de conceitos fundamentais da trama, como termos cibernéticos.

A fotografia e montagem são ótimas, mais um acerto da leva recente de documentários da Netflix do mundo inteiro que chegam para cativar um público sedento. Vale a pena pelo tema moderno e também porque muitos sites que eram de uso diário de várias pessoas estavam hospedados no bunker de Xennt.

Onde assistir ao filme Cyberbunker: Crimes na Internet (2023)?

O documentário “Cyberbunker: Crimes na Internet” estreou nesta quarta-feira, dia 8 de novembro de 2023, no catálogo da Netflix.

Trailer do documentário Cyberbunker: Crimes na Internet, da Netflix (2023)

Ficha técnica do filme Terror nas Profundezas, da Netflix (2023)

  • Título original do filme: Cyberbunker: The Criminal Underworld
  • Direção: Kilian Lieb, Max Rainer
  • Roteiro: Kilian Lieb, Max Rainer
  • Gênero: documentário
  • País: Alemanha
  • Ano: 2023
  • Duração: 101 minutos
  • Classificação: 14 anos

Sobre o autor

2 thoughts on “‘Cyberbunker: Crimes na Internet’ é documentário sobre delitos modernos

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *