Casamento às Cegas Suécia crítica do reality show série Netflix 2024

Foto: Netflix / Divulgação

“Casamento às Cegas”, seja a versão original americana ou a brasileira, britânica, japonesa, e por aí vai, é um tremendo sucesso global da Netflix. Descobrir se casais que acabaram de se conhecer vão decidir se casar e mudar o restante de suas vidas – algo que beira a insanidade -, gera enorme curiosidade dos espectadores, o que só comprova que todo ser humano (não só brasileiro) é fofoqueiro por natureza.

Agora, a Netflix chega com a versão “Casamento às Cegas: Suécia”, que promete repetir as emoções vividas em outras adaptações pelo mundo afora. Mas será que esse tipo de reality show já não está desgastado, afinal, o formato é exatamente igual aos outros? É o que vamos descobrir a partir de agora.

Leia também

‘Solteiros, Ilhados e Desesperados’ encerra com surpresas e emoções à flor da pele

Apesar dos méritos, ‘Amor como um Romance Coreano’ encerra de maneira inconsistente

‘Casamento às Cegas Brasil: Depois do Altar’ coloca a fofoca em dia

Sinopse de Casamento às Cegas: Suécia

Em “Casamento às Cegas: Suécia”, solteiros que querem ser amados pela personalidade topam conhecer a pessoa com quem poderão passar o resto da vida sem jamais tê-la visto antes. Os casais que noivarem vão morar juntos por quatro semanas para planejar o casamento e ver se têm uma conexão física tão forte quanto o vínculo emocional.

No dia da cerimônia, os casais descobrem se serão felizes para sempre com os parceiros que escolheram às cegas ou se a convivência no mundo real e outros fatores externos sabotaram o relacionamento.

Leia mais críticas de séries da Netflix

Vale a pena ver Casamento às Cegas: Suécia?

A primeira temporada de “Casamento às Cegas: Suécia” conta com 10 episódios. Mas, nesta sexta-feira (12), a Netflix lançou apenas quatro, com os outros seis sendo lançados posteriormente. Nesses primeiros capitulos, somos apresentados a um grupo diversificado de participantes, incluindo Rasmus Hedenstedt, Krissy Kuldkepp, Oskar Nordstrand, Victoria Lastoria, Andreas Johansson, Johan Melin, Alexandra Davidsson, Meira Omar, Isabelle Bergman, entre outros.

A execução da desgastada proposta – ao menos nesses episódios iniciais – deixa a desejar. A ideia de um compromisso tão ligeiro força uma intimidade que muitas vezes resulta em ligações superficiais e desprovidas da profundidade necessária para sustentar um relacionamento a longo prazo.

O dilema ético subjacente ao reality se manifesta na pressão imposta aos participantes para formarem laços significativos baseados exclusivamente em conversas. Essa falta de fundamento físico parece comprometer a autenticidade das relações, transformando a busca por amor apenas em um espetáculo para entretenimento do público.

Beleza não importa, mas importa

O questionamento central sobre se a aparência importa no amor é suplantado pela ausência de participantes que desafiem os padrões tradicionais de beleza. A falta de diversidade na representação étnica e cultural dos participantes – e não venha me dizer que isso não tem na Suécia, porque tem – é uma lacuna significativa, minando a tentativa do programa de desafiar normas sociais.

A trama, com reviravoltas dramáticas exageradas, muitas vezes parece encenada e artificial, prejudicando a autenticidade que os espectadores esperam de um reality show. Os conflitos orquestrados e as emoções exageradas resultam em uma experiência manipulativa, levantando dúvidas sobre a sinceridade dos relacionamentos retratados.

Leia críticas de filmes da Netflix

Conclusão

O drama forçado, a falta de profundidade emocional e a incapacidade de desafiar normas sociais contribuem para que “Casamento às Cegas: Suécia” seja uma experiência decepcionante. Apesar de oferecer um prazer culpado para quem busca entretenimento descompromissado, o reality show não cumpre a promessa de explorar genuinamente o amor. Com suas inúmeras falhas, o programa não alcança o padrão estabelecido por suas aspirações iniciais, tornando-se uma inclusão desnecessária ao catálogo da Netflix.

  • Vai comprar na Amazon? Então ajude o Flixlândia adquirindo seus produtos pelo nosso link: https://amzn.to/41fnLbN

Siga o Flixlândia nas redes sociais

Onde assistir ao reality Casamento às Cegas: Suécia (2024)?

O reality show “Casamento às Cegas: Suécia” estreou nesta sexta-feira, dia 12 de janeiro de 2024, no catálogo da Netflix.

Trailer de Casamento às Cegas: Suécia, da Netflix (2024)

Casamento às Cegas: Suécia – elenco do reality da Netflix (2024)

  • Jessica Almenäs
  • Rasmus Hedenstedt
  • Krissy Kuldkepp
  • Oskar Nordstrand
  • Victoria Lastoria
  • Andreas Johansson
  • Johan Melin
  • Alexandra Davidsson
  • Meira Omar
  • Isabelle Bergman

Ficha técnica de Casamento às Cegas: Suécia, da Netflix (2024)

  • Título original da série: Love is Blind: Sverige
  • Gênero: reality show
  • País: Suécia
  • Ano: 2024
  • Temporada: 1
  • Episódios: 10 (foram lançados 4 até o momento)
  • Duração: de 56 a 72 minutos
  • Classificação: 12 anos

Sobre o autor

9 thoughts on “‘Casamento às Cegas: Suécia’ não acrescenta nada ao reality

  1. Decepciona pq não milita? Porque não tem diversidade étnica?… Decepcionante é essa análise.

    Eu gostei muito de ver como culturas diferentes abordam o mesmo tema, até pq eles se relacionam diferente, tem até a intimidade retratada diferente entre os países.

    Esse choque de culturas é bem interessante. E na boa? Que bom que o show não é só mais uma briga sobre diversidade.

    Obs.: sou negro, baixinho e uso óculos. Já tenho várias minorias pra me preocupar no dia a dia, não tô nem um pouco afim de ficar batalhando ou vendo essas batalhas na TV também

  2. Discordo. O programa agrega em apresentar as relações e a cultura de um outro pais. Gosto também da diversidade no elenco. Cada participante tem um background e beleza distintas.
    Embora a proposta seja desafiar os padrões ja é um fato que independente do país, da cultura etc, os participantes possuem dificuldade de realmente aderir a proposta de se entregar ao amor independente da imagem. Por outro lado, em todas as edições temos participantes que conseguem se aprofundar na relação e descobrir a beleza que existe além da superfície. A provocação serve para alguns, mas não serve para outros e tudo bem.
    Gosto de assistir sem compromisso e quero ver o programa rodando todos os países do mundo.

  3. Para mim também sempre acrescenta bastante, conhecer como jovens adultos de outras culturas pensam e se relacionam, e apesar de ter sim muita forçação para formarem casais e irem para as etapas seguintes do programa, sempre tem o fator surpresa de como eles reagem uns aos outros, que nem sempre é como eu esperava e gostaria, e como o amor surge ou acaba dependendo dos outros fatores envolvidos no conhecer o outro. Ai, eu acho muito bom, na verdade. Torço para que o Christofer encontre uma parceira que curta ela de verdade ou que a moça dela caia na real e de valor à ele.

  4. Para mim acrescentou bastante, principalmente a forma respeitosa que eles se tratam ( com exceção do Sergio) e como tem a igualdade de falarem de sexo e intimidade sem serem julgados pelo outro, como acontece aqui no Brasil, inclusive no Casamento as cegas daqui, quando uma mulher respondeu uma pergunta sobre sexo foi taxada.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *