Confira a crítica do filme "Hill: Amor pelo Jogo", drama com Dennis Quaid que está disponível para assinantes da Max.

Foto: Max / Divulgação

O filme “Hill: Amor pelo Jogo” (The Hill) é um drama esportivo inspirador que narra a história real de Rickey Marshall, um jovem pobre e com deficiência física que sonha em se tornar um jogador de beisebol profissional. Embora a premissa seja promissora, o longa dirigido por Jeff Celentano e escrito por Scott Marshall Smith e Angelo Pizzo, carece da energia e profundidade necessárias para realmente cativar o público. A história de Rickey é emocionante, mas a execução deixa a desejar, resultando em uma obra que se arrasta e não consegue aproveitar todo o seu potencial.

Sinopse de Hill: Amor pelo Jogo (2023)

O filme segue Rickey Marshall, filho de um pregador batista, que cresce em Fort Worth, Texas, sonhando em jogar beisebol na Major League, apesar de uma doença degenerativa na coluna que o obriga a usar aparelhos nas pernas.

Rickey ensina a si mesmo a rebater usando galhos e pedras, com a ajuda de seu irmão mais velho. Contra todas as probabilidades, ele se torna um rebatedor poderoso, joga três meses pelo Montreal Expos aos 19 anos e passa quatro temporadas nas ligas menores.

Você certamente vai gostar disso:

Confira a crítica do filme "Hill: Amor pelo Jogo", drama com Dennis Quaid que está disponível para assinantes da Max.
Cena do filme “Hill: Amor pelo Jogo” (Foto: Max / Divulgação)

Crítica do filme Hill: Amor pelo Jogo

O problema central de “Hill: Amor pelo Jogo” é a visão insípida do projeto. Embora o filme aborde conflitos dolorosos e legítimos entre personagens com agendas válidas, essas tensões muitas vezes parecem programadas e sem vida, mesmo sendo baseadas em eventos reais. A relação entre Rickey e seu pai, James (Dennis Quaid), é um dos poucos elementos que elevam o filme acima dos clichês, com debates sobre fé e esportes que oferecem momentos de verdadeira profundidade emocional.

O filme ganha um pouco de intensidade nas interações entre Rickey e seu pai, que acredita que o destino do filho é seguir seus passos no púlpito, não no campo de beisebol. No entanto, essas cenas são raras e, na maior parte do tempo, “Hill: Amor pelo Jogo” se contenta em seguir um caminho previsível e sem brilho.

A execução do filme é prejudicada por personagens que, embora bem-intencionados, são bidimensionais e excessivamente agradáveis. Isso dificulta a criação de conflitos genuínos ou empatia profunda com suas lutas. Além disso, o ritmo lento do filme e a falta de desenvolvimento emocional de Rickey tornam a experiência maçante. Embora o protagonista seja um jovem talentoso e educado, o filme falha em explorar seu interior emocional de forma significativa.

Fé sobressaindo a ciência

Outro problema é a forma como o filme aborda a fé. Enquanto algumas cenas tentam mostrar os milagres de forma sutil, outras parecem favorecer a crença em poderes superiores sobre a ciência, o que pode ser difícil de engolir para o público moderno. A personagem de James, embora apresentada como um indivíduo religioso falho, nunca é totalmente explorada em sua complexidade, deixando de lado oportunidades de aprofundar o drama.

O elenco de coadjuvantes, incluindo Joelle Carter como Helen, a mãe de Rickey, e Bonnie Bedelia como sua avó, oferece atuações competentes, mas seus personagens são subutilizados. A narrativa também sofre com clichês, como namoradas de infância que reaparecem convenientemente e exploradores de beisebol retratados de forma caricatural.

Conclusão

“Hill: Amor pelo Jogo” é um filme que tinha todos os ingredientes para ser uma história inspiradora e comovente, mas acaba sendo um relato arrastado e previsível. A atuação de Dennis Quaid e alguns momentos de profundidade emocional não são suficientes para salvar a produção de sua falta de originalidade e visão, bem como sem a faísca necessária para realmente engajar e emocionar o público. É uma história que, apesar de sua mensagem poderosa, tem execução mediana e narrativa clichê.

  • Vai comprar na Amazon? Então ajude o Flixlândia adquirindo seus produtos pelo nosso link: https://amzn.to/41fnLbN

Siga o Flixlândia nas redes sociais

Onde assistir Hill: Amor pelo Jogo?

O filme está disponível para assinantes da Max.

Trailer do filme Hill: Amor pelo Jogo

Elenco de Hill: Amor pelo Jogo (2023)

  • Dennis Quaid
  • Colin Ford
  • Joelle Carter
  • Scott Glenn
  • Siena Bjornerud
  • Ryan Dinning
  • Carina Worm
  • Bonnie Bedelia
  • Randy Houser

Ficha técnica de Hill: Amor pelo Jogo, da Max

  • Título original: The Hill
  • Direção: Jeff Celentano
  • Roteiro: Angelo Pizzo, Scott Marshall Smith, Bill Chaffin, Carmine Zozzora, Stephen Hintz, Aric Hornig
  • Gênero: drama
  • País: Estados Unidos
  • Duração: 127 minutos
  • Classificação: 12 anos

1 thought on “‘Hill: Amor pelo Jogo’ não aproveita a poderosa mensagem da história real

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *